Protocolo Social: receber em casa

A vida é muito mais cómoda e, consequentemente, mais fácil se a convivência humana se basear na cortesia. No entanto, essa cortesia deverá, sendo respeitosa, não ser exagerada para que não se transforme num snobismo impertinente… Trata-se, tão só, de boa educação e bom senso. A correcta aplicação dos códigos de convivência social gera segurança e, portanto, origina um comportamento mais natural, positivo e isento de gestos artificiais.

A naturalidade é, também, a imagem que devemos deixar transparecer quando recebemos em casa; recordo, contudo, que naturalidade não significa improviso ou desorganização – pelo contrário! Para que, ao exercer o seu papel de anfitrião, tudo pareça espontâneo e despretensioso aos seus convidados, terá que ter havido previamente um minucioso planeamento, organização e cálculo!

Algumas dicas, baseadas nos princípios fundamentais de que o sucesso é fruto de rigorosa programação e a sorte dá muito trabalho!

1. Defina claramente o tipo de evento: formal ou informal, data e momento do dia, homenagem, comemoração, sem propósito determinado. Mantenha sempre em mente que a diversão é o objectivo.

2. Elabore uma equilibrada lista de convidados; a primeira dúvida poderá ser quem convidar. Há quem não goste de misturar diferentes grupos (e devemos ter o cuidado de não convidar pessoas que estejam incompatibilizadas), mas poderá ser interessante fomentar novos contactos e criar um ambiente animado! O importante é que todos se sintam bem não precisando, para tal, de ser íntimos.

3. Os convites poderão ser feitos pessoalmente, por telefone ou via e-mail, com uma antecedência razoável, não inferior a uma semana; por convite impresso (personalizado e com informação detalhada) se a celebração for formal ou exigir um traje especial e, neste caso, entregues pessoalmente ou enviados por correio; anexar informação sobre como chegar ao local é muito útil e poderá evitar atrasos desagradáveis. Quando somos convidados é da mais elementar boa educação responder no prazo de 48h.

4. Preparativos – a nossa casa deverá estar limpa e arrumada porque naturalidade não significa desleixo! O quarto de banho social terá toalhas limpas e sabonetes novos e os nossos objectos de higiene pessoal estarão devidamente guardados; criar ambiente com flores, algumas velas (só à noite!), providenciar local para guardar casacos, são alguns gestos que denotam cuidado. A música deve ser suave e em tom baixo, adequada à idade dos convidados e nunca durante a refeição. As bebidas deverão estar em local apropriado e de fácil acesso e a comida dependerá, naturalmente, do tipo de festa a organizar, do tipo de convidados, do serviço, da época do ano, entre outros aspectos. Contudo, ensaiar um novo prato não é aconselhável…

5. Os lugares à mesa devem ser planeados com antecedência, para evitar embaraços. Regras básicas de protocolo para uma mesa perfeita:

a. Preferencialmente, o número de convidados deve ser par, por uma questão de equilíbrio;
b. Em nenhuma circunstância se sentam treze pessoas à mesa;
c. Os convidados de maior estatuto sentam-se, respectivamente, homem à direita da anfitriã e mulher à direita do anfitrião, sendo que os demais poderão seguir a regra direita/esquerda no sentido dos ponteiros do relógio;
d. Devemos procurar unir pessoas com interesses comuns e, no caso de estarem presentes estrangeiros (que têm precedência sobre os outros convidados se tratar de uma primeira visita), garantir que falam a mesma língua;
e. A “lei do descanso matrimonial”, como é chamada em Protocolo, determina que marido e mulher não fiquem juntos;
f. As mulheres não devem ocupar as cabeceiras da mesa e, preferencialmente, não devem ficar lado a lado;
g. As mulheres casadas precedem às solteiras e divorciadas;
h. Quando a refeição é formal e existam cartões de mesa indicativos dos lugares, estes nunca são colocados no lugar dos anfitriões.

6. Receber é acolher com simpatia, gentileza e entusiasmo, deixando os convidados à vontade desde o primeiro momento; os anfitriões devem também encarregar-se das apresentações (o momento dos aperitivos é perfeito para tal): os mais novos devem ser apresentados aos mais velhos, os homens às mulheres, os de menor aos de maior estatuto.

7. O convidado exemplar:

a. Responderá ao convite com a maior brevidade possível;
b. Será pontual;
c. Poderá oferecer flores (que deverão de imediato ser expostas) ou uma planta, chocolates (que deverão ser abertos e oferecidos), produtos “gourmet” (hoje em dia muito apreciados). Os vinhos poderão causar constrangimento, na medida em que os anfitriões se podem sentir na obrigação de os servir, correndo o risco de que não sejam os mais indicados para combinar com a refeição;
d. Respeitará o código de vestuário adequado à ocasião;
e. Comportar-se-á correctamente;
f. Não sairá sem se despedir dos anfitriões e agradecer.

8. Vizinhos – pelo barulho que poderá ocorrer, não os devemos esquecer, pelo que devem ser avisados previamente.

Por último, os donos da casa não tratarão das arrumações enquanto os convidados não tiverem saído…e os convidados nunca se esquecerão de agradecer novamente no dia seguinte!

Cristina Fernandes