Comunicação: Gerir a imagem profissional

As férias terminam, as aulas recomeçam, o trânsito piora, os dias vão gradualmente encurtando… É a designada “rentrée”. Talvez um dos momentos mais adequados para repensar a gestão da respectiva imagem profissional projectada, tanto para mais dadas as actuais realidades de mercado.

A imagem profissional é o conjunto das percepções que os outros estabelecem a nosso respeito no que concerne aspectos tão diversos como o carácter, o comportamento, a competência técnica, a capacidade tanto de comunicar eficazmente como de gerir relacionamentos interpessoais em diversos contextos, entre inúmeros outros factores. O ideal seria que a imagem que desejamos projectar fosse a mesma que é apercebida e criada pelos demais, contudo nem sempre assim acontece.

Se cada um não gerir a sua própria imagem, alguém o fará: as pessoas estão permanentemente a ser observadas, avaliadas, julgadas e quem observa constrói teorias acerca do observado. Por estas e outras razões, mas também dependendo da discrição do observador, nascem e multiplicam-se os rumores… Não é possível saber com precisão cientifica o que os outros pensam e sentem, o que é possível, isso sim, é controlar as mensagens emitidas e a interacção com os demais. A complicar todo o processo estão os estereótipos sociais mas, sobre estes, nem falar!

Então, por onde começar? Antes de mais, reflectindo e tomando consciência de que a própria imagem é um património e que, como tal, necessita de ser eficazmente gerido. Depois, estabelecendo uma estratégia e sendo persistente na prossecução dos objectivos traçados. Para tal, será fundamental responder a múltiplas questões como, por exemplo, “Por quais características e competências quero ser conhecido?”, “Quais os aspectos e evidenciar e a minimizar?”, “Que expectativas os outros têm a meu respeito?”, “Que importância atribuo à imagem que projecto?”, “Estou disposto a encetar e prosseguir num processo de mudança que realmente acarrete benefícios?”, entre muitas outras.

Sabe-se, também, que uma imagem profissional positiva, ou seja, a construção e a manutenção de uma imagem credível, é geradora de significativos benefícios pessoais e profissionais, dos quais se destacam a progressão na carreira, a satisfação daqueles que nos rodeiam, a melhoria dos relacionamentos profissionais, o fortalecimento da coesão de grupos. Por outro lado, uma imagem profissional negativa provoca decepção generalizada, alheamento, afastamento, tendência para comportamentos e relacionamentos tóxicos.

Partindo do princípio que o carácter e a competência não estão em causa, sabe-se que construímos uns acerca dos outros imagens baseadas nas percepções emitidas pela comunicação não-verbal, designadamente: apresentação (compleição física, vestuário, cabelo e maquilhagem), voz (rapidez do discurso, tom, dicção), manutenção (ou não) de contacto visual durante uma conversa, bem como todas as atitudes demonstrativas de boa educação (civismo, cortesia).

É reconfortante pensar que todos estes aspectos podem ser aperfeiçoados. Basta querer!

Cristina Fernandes