Organização de eventos: erros grosseiros de Protocolo

  • Improvisar, achando que Protocolo é (apenas) boas maneiras.
  • Achar que quem sabe organizar eventos também sabe Protocolo.
  • Não gerir o tempo e deixar tudo para fazer no local e no momento.
  • Não ensaiar, nem testar, nem preparar.
  • Partir do pressuposto (errado) que só um grande evento, com convidados oficiais, precisa de Protocolo.
  • Não tomar em consideração o costume/hábito/cultura nem o contexto espacial/temporal/social.
  • Montar um evento pensando única e exclusivamente nos participantes presentes, esquecendo os meios de comunicação ou até, tão só, os “simples” registos de imagem e som.
  • Trabalhar individualmente, ignorando os princípios básicos do trabalho em equipa (como, por exemplo, não integrando as questões logísticas com as de Protocolo e vice-versa).
  • Fazer “assim” porque “sempre se fez assim” (mesmo que erradamente).
  • Emitir convites mal estruturados.
  • Entender que não é necessário receber, acompanhar e despedir os convidados.
  • Ignorar a legislação e demais regras sobre precedências e ordenar autoridades e símbolos por intuição.
  • Entender que numa presidência, desde que já organizada, é irrelevante retirar ou acrescentar um lugar.
  • Crer que ninguém sabe de Protocolo e que, portanto, ninguém vai perceber as gafes protocolares…

 

Cristina Fernandes