Os cartões de Boas Festas: procedimentos básicos, por vezes esquecidos…

  • Os cartões de Boas Festas, que têm o objectivo de apresentar e retribuir cumprimentos Natalícios e de Ano Novo, são pessoais e devem ser assinados por quem os envia, apesar da mensagem impressa no próprio cartão.
  • Na grande maioria dos casos (excepto quando existe um grande grau de conhecimento que permita, até, identificar a caligrafia/assinatura) é útil o envio do cartão pessoal dentro do próprio cartão de Boas Festas.
  • As saudações “Boas Festas” e “Festas Felizes” são as mais adequadas para apresentação de votos a diferentes culturas, principalmente quando se desconhece a religião de quem recebe.
  • É fundamental escolher um cartão impresso em papel de boa qualidade e com imagens de bom gosto.
  • Mesmo que o cartão tenha uma mensagem pré-impressa, deve acrescentar-se uma pequena mensagem pessoal (os detalhes marcam a diferença…).
  • Actualmente já é perfeitamente aceitável, sobretudo em organizações menos conservadoras, o envio de cartões electrónicos via e-mail. De qualquer forma, o cartão em papel enviado por correio continua a revelar maior formalidade (imprescindível a determinados níveis oficiais e mesmo empresariais).
  • É muito importante e, uma vez mais, revelador de grande profissionalismo e bom senso, que se cumpram os prazos de envio dos cartões de Boas Festas, ou seja, entre 8 e 24 de Dezembro. Após o Natal e até 6 de Janeiro, os votos devem restringir-se a Feliz Ano Novo e a agradecimentos.
  • Sendo o processo do envio de Boas Festas trabalhoso e dispendioso, é fundamental que assente numa correcta base de dados/listagem, na qual deverão constar os dados impreterivelmente correctos, por forma a evitar repetições ou o envio de cartões a pessoas que, entretanto, mudaram de Empresa ou, até, a outras entretanto falecidas…

 

Cristina Fernandes