Proxémica: percepção e uso do espaço

 

A proxémica estuda o uso do espaço pelo ser humano e a sua respectiva percepção. Este factor, aparentemente tão simples, influencia a comunicação quotidiana, a todos os níveis.

O antropólogo Edward T. Hall (1914-2009) definiu quatro distâncias: íntima, pessoal, social e pública.

A distância íntima pressupõe uma aproximação de até 40 cm o que, portanto, permite facilmente o contacto físico. Por vezes, em espaços exíguos (como num transporte público ou num elevador) essa distância é imposta, gerando um tremendo incómodo e, não raramente, a sensação de invasão.

A distância pessoal é de cerca de 1,25 m. Permite proximidade mas sem a sensação de desconforto causada socialmente pela intromissão no espaço íntimo acima descrito.

A distância social caracteriza-se por um relacionamento impessoal e pode ir até 3,60 m (espaço este muitas vezes ocupado até por um elemento que cause uma barreira física, como por exemplo uma mesa).

A distância pública excede os 3,60 m, obrigando quem comunica a se exprimir em voz alta, entre outros aspectos. Qualquer ideia de contacto físico ou próximo está, neste caso, excluída.

Note-se, contudo, que estes parâmetros não são rigídos, na medida em que sofrem influência de inúmeros factores, designadamente:

  • Circunstâncias contextuais (o espaço disponível, a iluminação, o ruído);
  • Aspectos de personalidade;
  • Influência cultural.

 

Refira-se que este último aspecto, a influência cultural, é determinante. Mesmo sendo difícil e perigoso generalizar e rotular, veja-se que, por exemplo, para um Latino-Americano será muito penoso manter a integridade da bolha pessoal – é perfeitamente natural que se aproxime e toque no interlocutor durante um processo de comunicação presencial; este aspecto não o incomoda, de todo, pois culturalmente o Latino-Americano é, por natureza, extrovertido e táctil. Já um Oriental é o oposto. Mesmo vivendo em espaços exíguos e estando habituado a áreas povoadas por multidões, é extraordinariamente não-táctil e rapidamente se desculpa se acidentalmente tocar em alguém; ao mesmo tempo, sente-se muitíssimo incomodado se o seu espaço não for respeitado.

Dentro do universo da comunicação não-verbal, além da proxémica, outros factores influenciam a comunicação, como o olhar, as expressões faciais, os movimentos, a postura, os gestos. Estes aspectos integram a cinésia.

 

Cristina Fernandes